Projeto

A A.R.T – Anotação de Responsabilidade Técnica

Boa noite, pessoal! Conforme prometido, aqui estou novamente.

E aí, já ouviram falar em A.R.T – Anotação de Responsabilidade Técnica? 

construcao-de-moradia

 

Vou explicar um pouco do que se trata e qual o motivo de eu estar falando disso por aqui.

Grosso modo, a A.R.T é o documento [fundamental] que é assinado pelo engenheiro que executa a tua obra. A pessoa que assina essa anotação de responsabilidade, literalmente será responsável por que qualquer problema que ocorra na tua obra durante a execução e na tua casa para sempre (sim, para sempre!). Ou seja, estou morando há 5 anos na casa e começou a rachar parede? Pode apertar o engenheiro que assinou a A.R.T que ele vai dar o jeito dele pra entender o que aconteceu, se não foi problema de execução foi de projeto, não há outra hipótese. Ou o projeto estrutural estava subdimensionado para a sua obra, ou o projeto não foi corretamente executado.

Outro “detalhe” é que a A.R.T é documento essencial para executar a obra, sem A.R.T a obra está ilegal. Não significa que um baita pedreiro não dê conta de construir uma casa sem problemas, mas se o CREA resolver fiscalizar a obra e não tiver uma A.R.T de execução, pode esperar pela multa. Aqui no estado para dar entrada no projeto na prefeitura já é necessário ter um responsável pela A.R.T (que depois pode ser alterado, se for o caso).

Vocês lembram que eu tive um problema com meu primeiro empreiteiro, o cara sumiu antes mesmo de assinar o contrato. Este desaparecido era engenheiro e possui (ou possuía) diversas equipes de pedreiros que trabalhavam para ele. Como ele é registrado no CREA, ele mesmo assinava as A.R.Ts das obras que pegava para executar, então eu nem me preocupava com isso. O problema começou quando a empreiteira que contratamos não tinha um engenheiro na equipe, ou seja, não tinha quem assinasse a A.R.T.

 

Antes de continuar, dois parênteses:

1) nunca, veja bem, NUNCA dê qualquer dinheiro a nenhum pedreiro ou empreiteiro antes de assinar um contrato onde formaliza toda a prestação de serviço, é a única ferramenta que se tem caso tenhamos que recorrer à justiça. Se tivéssemos pago qualquer coisa para o desaparecido, nosso dinheiro provavelmente teria desaparecido com ele!

2) é bem comum essa estória de empreiteira sem engenheiro, assim como é comum ter engenheiro que só presta esse serviço, de assinar A.R.T.s.

Fecha parênteses e segue o post.

 

Então, como o nosso empreiteiro não tem engenheiro na equipe precisávamos contratar um engenheiro que assinasse a A.R.T. E aí assim, galera, se encontra os mais diversos orçamentos. Por aqui vimos preços que variavam de R$1000,00 à R$2800,00 por mês durante a execução da obra. Os serviços prestados consistem em visitas periódicas (duas por semana), assinatura da A.R.T e acompanhamento da execução dos projetos, resolvendo os eventuais problemas quando o projeto encontra alguma incompatibilidade não esperada.

Para encurtar um pouco, fizemos um acordo com o empreiteiro que arcou com parte dos custos da contratação do engenheiro e está tudo resolvido!

Até o próximo post que, espero, seja trazendo notícias do estaqueamento.

Abraços! 🙂

 

A planta

Boa tarde, pessoal! Tudo certo com vocês? Como estão as suas obras?

Pois é, por aqui continuamos na fase de organização.

Conforme tinha prometido em outro post (acho que foi o do 3D), hoje trago para vocês a planta da nossa cas

plantasblognew-01

Como vocês já devem ter notado a nossa casa é térrea, entretanto ela conta com um pé direito duplo que abriga um mezanino.

A opção pela casa térrea foi um pouco em função do tamanho do terreno que nos permitia isso e outro tanto pela comodidade de não ter nenhuma escada “obrigatória” em casa. Ou seja, para fazer praticamente tudo na casa não precisaremos subir e descer escada nenhuma, com excessão do mezanino onde ficará um escritório.

Na imagem acima vocês podem conferir a parte térrea e o mezanino.

Essa planta não é a última, houveram algumas pequenas alterações (por exemplo, fechamos uma das portas da área de serviço, mudamos a porta do lavabo e nessa planta não consta a piscina nem o abrigo para carros), mas como não tenho a atualizada aqui, vai essa mesmo só para que vocês tenham uma ideia de como é a divisão da casa.

É uma planta bastante simples e prática. Os móveis que constam nessa planta são só ilustrativos, para se ter uma ideia de espaço e etc, já que ainda não fizemos o design de interiores.

Por enquanto é isso, assim que tiver mais alguma novidade apareço novamente por aqui!

Abraços e obrigado por acompanharem e comentarem!

Continuem aparecendo por aqui, sempre bom receber visitas! 🙂

Até mais o/

Habemus 3D

E aí pessoas queridas que visitam o blog! Como estão?

Começamos a receber alguns comentários aqui no blog e estamos bem felizes com a participação de vocês.

Como falamos no outro post, a coisa tá meio parada porque ainda não começamos a obra, acho que até o fim de Outubro iniciamos e aí teremos assunto de sobra por aqui!

Enquanto isso, recebemos ontem a projeção 3D nova!!! \o/

Vou postar aqui a fachada e assim que tiver a imagem dos fundos da casa eu volto aqui e faço outro post.

 

JL 1

 

 

Não falei aqui do terreno ainda, mais adiante faço um post só sobre ele, mas pelo 3D vocês percebem que e um terreno de esquina. A fachada principal da casa é a da primeira imagem, mas a visão lateral da casa ficou um espetáculo também, há quem prefira a lateral do que a frontal. Eu sou suspeito (minha esposa também), logicamente gostamos das duas, na verdade gostamos da casa de todos os lados e ângulos possíveis! hehehe

 

 

JL 2

 

A grade vai ser nesse estilo, mas com as hastes horizontais mais finas um pouco, e o portão da garagem seguirá o mesmo padrão.

Ainda não estamos 100% certos sobre a cor da casa, ainda queremos fazer um estudo de cores e etc. Aquela parte ali, que é a cozinha e o abrigo dos carros, que está aparecendo meio verde, na verdade é um branco. Ficou verde na hora de renderizar o arquivo.

 

E aí, o que vocês acharam?

Na sequência sai um post com a planta baixa e outro sobre o terreno.

 

Abraços e continuem acompanhando!

Precisamos de um(a) arquiteto(a)!

E aí pessoal, tudo certo? Então, hoje vamos contar como foi a escolha do nosso(a) arquiteto(a) e dar uma prévia de como ficou o nosso projeto final. Só uma prévia porque o projeto merece um post todo só para ele! 🙂

fotoarquitetura

Antes de qualquer coisa é importante dizer que é fundamental contratar um profissional para fazer o projeto da sua casa! Não construa sem um bom projeto, afinal, os projetos (arquitetônico e complementares) representam cerca de 2% a 4% do valor da obra, não fazê-los é aquela economia porca da qual você vai se arrepender logo logo.

Dito isso vamos à nossa peregrinação pelos escritórios de arquitetura da nossa cidade.

A escolha de um arquiteto é bastante subjetiva, é difícil definir se o profissional é bom ou ruim em uma entrevista para orçamento. Busque indicações, converse com outros clientes, veja se os serviços prestados são os que te interessam (nem sempre você precisa tudo que eles oferecem, ou é oferecido o que você precisa) e, sobretudo, observe se o tipo de projeto que o arquiteto está acostumado a fazer fecha com o seu gosto. Isto na nossa opinião é o mais importante, afinal, o projeto arquitetônico exige criatividade e sempre vai ter o estilo do profissional, por isso tem que ser parecido com o seu!

Nós fizemos uma triagem pelos sites dos arquitetos(as) e escritórios, pelos projetos já realizados íamos descartando alguns e fazendo contato com outros. Ao todo fizemos contato com 4 profissionais diferentes, entre escritórios e arquitetos(as). Visitamos todos, conversamos e pedimos orçamento.

Quando recebemos os orçamentos foi que a coisa complicou um pouco. Por quê? Bom, a variedade de serviços oferecidos mudava a cada orçamento, iam desde uma assessoria completa incluindo os projetos complementares, até somente o arquitetônico sem nenhum adicional.

O tipo de referência utilizado no orçamento também muda, basicamente eles usam o CUB ou o m². Alguns irão cobrar X CUB pelo projeto e outros cobrarão diretamente um valor pelo metro quadrado projetado. O que percebemos é que os escritórios costumam cobrar pelo CUB e oferecer os orçamentos mais completos, agregando outros serviços para fechar um orçamento com um valor maior. Já os profissionais autônomos fixam um valor pelo m² projetado, que varia de acordo com o estilo e tamanho da casa, alguns também oferecem outros serviços, mas no geral são mais simples de trabalhar. E era exatamente isso que queríamos, simplicidade e preço justo.

Foi assim, procurando alguém que tivesse um valor justo e fosse sem frescura, que conhecemos a Gabriela Bauer, arquiteta do OUI Arquitetura (escritório do qual é dona).

oui

A Gabriela trabalha por m², tem um estilo de arquitetura moderno e é sem frescura, simples, tratamento informal, do jeito que a gente gosta e é! hehehe

O preço? Para o nosso projeto fechamos em R$25,00 o m² projetado, nesta conta entram todas as áreas cobertas. Então, se você só encontrou aqueles escritórios caríssimos, que cobram em CUB ou um m² milionário, não se assuste nem desista, existem excelentes arquitetos que cobram um preço justo por um trabalho muito bem executado.

Tá aí a prévia de como ficou…

fachada0

 

O projeto completo a gente mostra no próximo post. 😉